quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Bem-aventurados os ignorantes

O quão infinitamente boa é a Providência ao haver estabelecido, em seu governo da humanidade, limites tão estreitos para nossa visão e conhecimento das coisas. Embora o homem circule em meio a tantos milhares de perigos, se todos lhe fossem revelados certamente lhe pertubariam a mente e enfraqueceriam a coragem. Assim, por não prevermos os acontecimentos e ignorarmos os riscos que nos cercam, permanecemos calmos e serenos.

As aventuras de Robinson Crusoé (Daniel Defoe)

2 comentários:

Lívio disse...

Assim seja, Manoel. Afinal, como escreveu o Einstein, o "que sabe o peixe sobre a água em que nada a vida inteira"?

Manoel Almeida disse...

Depende, Lívio. Se for um peixe tipo o Einstein, ele seria "o" cara!