sábado, 18 de outubro de 2008

Roboticídio



– Sou o Cidadão Elijah Baley, da Terra, e desejo falar com o Mestre Roboticista Kelden Amadiro.
– Marcou hora, Cidadão?
– Não, senhor.
– É preciso marcar, se deseja vê-lo... e não há hora disponível nesta semana nem na próxima.
– Sou o detetive Elijah Baley, da Terra...
– Entendi bem quem é. E isso não altera os fatos.
– A pedido do Dr. Han Fastolfe e com autorização da Legislatura do Mundo de Aurora, estou investigando o assassinato do robô Jander Panell... – começou Baley, quando foi interrompido.
– O assassinato do robô Jander Panell? – perguntou Cicis, com um desprezo que a polidez não mascarava.
– Roboticídio, então, se prefere assim. Na Terra, a destruição de um robô pode não importar muito, mas em Aurora, onde os robôs são tratados mais ou menos como seres humanos, pareceu-me poder usar a palavra "assassinato".
– Contudo, seja assassinato, roboticídio ou nada disso, continua sendo impossível ver o Mestre Roboticista Amadiro.
– Posso mandar-lhe um recado?
– Pode.
– Será entregue a ele imediatamente? Já?
– Posso tentar, mas evidentemente não posso garantir.
– Assim está bem. Vou me referir a várias coisas e numerá-las. Talvez o senhor quisesse anotá-las.
Cicis esboçou um sorriso.
– Acho que sou capaz de lembrar.
– Primeiro, onde há um assassinato, há um assassino, e eu gostaria de dar ao Dr. Amadiro uma possibilidade de se defender...



Os Robôs do Amanhecer (Isaac Asimov)

2 comentários:

Lívio disse...

Acho melhor Cicis dar o recado direitinho...

Manoel Almeida disse...

O sr. Cicis provavelmente é um robô, Livada. Note o tom de ironia quando ele diz "acho que sou capaz de me lembrar"...